No Espaço Entre… por Kitty O’Meara


Crisis, a tipping point
like lightning,
strikes and divides
what wisdom may bind,
beyond words
(in the space between) if
we choose, and choose,
and choose climbing, descending
into the tangled forest of
no and yes.

Crise, um ponto de inflexão,

como um raio

que golpeia e divide

o que a sabedoria pode limitar,

além das palavras

(no espaço entre).

Se nós escolhermos e escolhermos

e escolhendo a subida, descermos

ao interior da floresta emaranhada de

não’s e sim’s.

 

Or we could reject
aching discernment,
take solace
in the withered arms of
scorched earth, accept
paths known, every step, eyes closed,
taking up with all the old evil,
abandon struggle and what
may lie beyond, remain rigid,
lying
on the angle of
repose.

Ou poderíamos rejeitar

O discernimento doloroso,

Nos consolarmos

nos braços secos da

terra queimada, aceitar

caminhos conhecidos, cada passo, de olhos fechados,

assumindo todo o antigo mal,

abandonar a luta e o que

pode estar além, permanecendo rígido,

mentindo na zona de conforto.

 

Hanging together, falling apart,
in the middle, in the balance,
neither here nor there,
having left and not arrived,
farewells spoken, greetings awaited…
walking with questions, eating questions, sleeping
not sleeping with questions
(in the space between) nothing
and all, after lightning
before thunder.

Suspensos juntos, caindo separados,

no meio, em equilíbrio,

Nem um ou outro.

Tendo partido e não chegado,

despedidas falam, saudações são aguardadas …

caminhamos com perguntas, mastigando-as, dormindo

sem dormir, com elas

(no espaço entre).

Nada e tudo

depois de um raio,

antes do trovão.

Our home is on fire;
let it burn. We knew
there was no returning.

Trees split and charred
may grow again, but
surprising and primal…
scarified and sacred,
the only way
some seeds can grow.

Nossa casa está em chamas;

deixemos queimar. Nós sabíamos

que era sem volta.

 

Árvores partidas e queimadas

pode crescer novamente, mas

espantosa e essencialmente…

após serem atormentadas e santificadas,

é o único jeito

para algumas sementes crescerem.

 

Let us try. Not for paradise
but for gratitude now
(in the space between).

Here, in the infant
forest, while the gift
of days
deepens our listening
nurses new visions
tender and green
(in the space between)

Deixa-nos tentar. Não pelo paraíso

mas por gratidão agora

(no espaço entre).

 

Aqui, na criança primitiva,

enquanto a dádiva

dos dias aprofunda nossa atenção

Novas visões de cuidado macio e verde (no espaço entre).

We’ll take the broken
parts, the ashes and death,
the questions and loss,
tilling in our soft dreams and
spreading wide the
fans of fertile hope
like stars at our feet.

Nós pegaremos as partes quebradas,

As cinzas e as mortes,

as perguntas e perdas,

cultivando nossos suaves sonhos e

divulgando amplamente,

ventilando esperanças férteis

como estrelas aos nossos pés.

Publicado originalmente em: The Daily Round de Catherine (Kitty O’Meara)

Título: The Space Between

Sobre Carmen Gonçalves

Entusiasta da Arte de Escrever!
Esse post foi publicado em Crônicas & Poesias e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

O que isso lhe fez Pensar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s