Poema da Descoberta


Descubro que não li tanto quanto gostaria

Não amei tanto quanto desejava

Não concretizei tanto quanto sonhava

Não trabalhei tanto quanto alguém diria.

Descubro que a vida, como folhas folheadas,

Como letras pintadas, coesas, destacadas

Como tudo do que não se esperava que fosse

Disse do ontem o que não disse do hoje.

Descubro que a suposta incoerência é a razão

De uma pena, um passo, um livro, um coração

Muito maior que o seu e o meu imaginam

E em sua própria óptica e poder nos iluminam.

Descubro que a descoberta do agora fato

É apenas um “noves-fora” ido,

No amanhã possivelmente revisto

Epistemologicamente encarado.

Mulher com chapéu lendo de Salvador Perez Bassols (Espanha 1948) - óleo sobre tela
FONTE: http://peregrinacultural.files.wordpress.com/2009/08/salvador-perez-bassols-espanha-1948-mulher-com-chapeu-lendo.jpg

Sobre Carmen Gonçalves

Entusiasta da Arte de Escrever!
Esse post foi publicado em Crônicas & Poesias e marcado , , , , . Guardar link permanente.

O que isso lhe fez Pensar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s